Pesquisar este blog

Carregando...
Para fazer download do mp3 clique com o botão direito do mouse sobre o link e escolha salvar.

Depressao - Mario Persona

Depressão - Mario Persona (mp3)
http://files.3minutos.net/Depressao-Mario-Persona.mp3



https://youtu.be/lvMtBHATixA


Depressão

Mario Persona

O período de festas de fim de ano é particularmente frustrante para muitas pessoas, como eu, por exemplo. Muitos ficam deprimidos, por mais que haja alegria, rojões, fogos, pois sempre haverá uma cadeira vazia, a memória de alguém que já partiu, a ausência, a saudade. E isso, obviamente, mexe com muitos de nós. Postei um vídeo sobre o assunto certo dia, no Facebook, e fiquei espantado com o número de pessoas que curtiu e que assistiu o filme, demonstrando sentir o mesmo. Mas o que provoca esses sentimentos? Como podemos conviver com isso uma vez que não há como mudar as circunstâncias, e que não podemos colocar a pessoa que partiu de volta na cadeira?

Vamos fazer um passeio através de alguns versículos de Provérbios, pela Palavra de Deus, neste que é o livro de Salomão. Começando pelo capítulo 18:14: “o espírito do homem aliviará a sua enfermidade mas o espírito abatido quem o levantará?” Todos os sentimentos se originam no espírito! O homem é dividido em corpo, que é a parte física, tangível; em alma, que é onde habitam os nossos sentimentos, o ânimo ou ânima, e espírito, que é a parte mais interior do nosso ser.

Um animal tem corpo e alma mas não tem espírito, porque o espírito nos torna semelhantes a Deus, uma vez que fomos criados por Ele à sua imagem e semelhança. Deus é Pai, Filho e Espírito Santo, esta é a essência de Deus. O espírito humano é a parte do nosso corpo capaz de se comunicar com Deus, mas ele também faz parte dessa “trindade humana”, que é corpo, alma e espírito.

Logo, não somos somente espírito, mas também corpo e alma. Temos sentimentos, nosso corpo sofre, dói, adoece. “O espírito do homem aliviará a sua enfermidade mas ao espírito abatido quem o levantará?” Significa dizer que um corpo abatido, doente, machucado, ainda pode ser sustentado por um espírito são.

É comum encontrarmos pessoas que estão em uma situação muito difícil, sofrendo com enfermidades, ou depois de um acidente, enfim. E quando as visitamos, saímos de lá animados, porque existe um espírito são que não foi abatido pelo corpo, pela doença, pela circunstância. Porém, o contrário não é verdadeiro, um corpo são, não necessariamente produz um espírito são. Vivemos numa época de culto ao corpo, à saúde. As pessoas vão às academias, fazem exercícios, buscam uma saúde melhor, comem alimentos mais naturais. Isso realmente pode ajudar o corpo, pode até mesmo dar uma melhor sensação para a vida, mas certamente não resolverá as questões do seu espírito. Isso não vai curar a parte mais interior do seu corpo, não vai sarar seu problema espiritual. Porque o corpo age na nossa parte externa.

É verdade que as circunstâncias podem, eventualmente, afetar o nosso estado de espírito, quando estas afetam o corpo. Se eu pisar, por exemplo, em um espinho, vou me machucar, pode causar uma infecção e com isso, meu espírito também pode sentir os percalços. Mas existe a cura para o espírito, uma maneira de tornar um espírito são. Então, as circunstâncias de fim de ano, como citei, de saudade e tristeza, que são causadas por fatores exteriores, nos abatem. Mas também para isso existe solução.

Vejamos por exemplo, o apóstolo Paulo. Sabemos que os cristãos do primeiro século, tinham que congregar muitas vezes escondidos em catacumbas, em desertos, em cavernas, porque eram duramente perseguidos, tanto pelos judeus como pelos pagãos, os romanos. Conhecemos a História, podemos ver em filmes, livros ou pinturas, os assassinatos por leões no coliseu romano e outras arenas, sabemos que muitos cristãos foram lançados à morte. O próprio apóstolo Paulo no caminho de Damasco, quando se converteu, estava em uma missão dos judeus a fim de lançar à prisão os cristãos (o que na verdade, significa que iriam ser mortos), e ali aconteceu que o perseguidor acabou sendo perseguido, o que vemos mais a frente quando ele se converte.

Mas, quando Paulo escreve aos cristãos em Éfeso, que certamente tinham vários problemas, ele não escreve pedindo a Deus que mude o governo, ou os governantes no poder, ou que mude as circunstâncias daqueles cristãos, tampouco pede que eles não sejam mortos, ou que não percam todos os bens, como acontecia com muitos, não pede que não roubassem suas filhas - muitos cristãos, no início do cristianismo, tinham suas mulheres e filhas levadas para os prostíbulos, onde eram obrigadas a ficar ou serem mortas, virando escravas. Portanto havia uma série de circunstâncias terríveis, que assolavam os cristãos daquele tempo, e Paulo ora por quais dessas circunstâncias? Encontramos em Efésios 3:14 quando Paulo fala: “por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, do qual cada família nos céus e na terra, tomam nome, para segundo as riquezas da sua Glória, vos conceda que sejais corroborados ou fortalecidos com poder pelo espírito no homem interior, para que Cristo habite pela fé nos vossos corações”.

Sejam fortalecidos no homem interior! O que é o homem interior? Ora, é o espírito do homem!

O coração é a alma, é o abrigo dos sentimentos humanos. É por isso que Paulo ora, para que eles fossem fortalecidos, não exteriormente, não que eles conseguissem manejar bem uma espada para lutar contra seus perseguidores, ou ficassem mais fortes, mais saudáveis, para conseguir correr daqueles que os perseguiam. Não! Mas pelo homem interior! Entendemos portanto que a solução para todos os problemas do homem está no homem interior, em resolver o problema deste, e não, resolver o problema do corpo, das emoções.

Quando voltamos para Provérbios, lemos no capítulo 12:25 “a solicitude no coração do homem o abate mas uma boa palavra o alegra.” Bom, então há soluções exteriores para o problema interior. Pois aqui é dito que de fato, circunstâncias podem abater, entristecer o coração, a alma, mas uma boa palavra o alegra. Mas a questão é, que palavra boa poderia alegrar meu coração? Seria a palavra de um amigo que vem e me fala coisas que me consolam, me alegram? As livrarias hoje estão cheias de livros de auto-ajuda, recheados de ensinos do tipo acredite em si mesmo, você consegue, você pode, você tem um poder dentro de si. Eu, particularmente, acho que esses livros de auto-ajuda, se realmente funcionassem, haveria um apenas à venda nas livrarias. Por que há tantos desses livros no mercado? Porque os anteriores não ajudaram, e se ajudaram, foi uma coisa efêmera, algo que logo passou. É como uma droga que você precisa sempre mais. Mas, palavra boa que alegra, certamente não será uma palavra humana, não será a palavra que vende ao homem algo do tipo: você pode, você consegue! Afinal, não somos bobos, sabemos que essas coisas, na hora que precisamos, podem influenciar as emoções apenas, mas não chegam ao espírito, ou seja, essa ajuda não vai atingir a parte mais interior do ser, aquela pela qual Paulo orava acerca dos efésios.

Uma outra passagem em Provérbios 14, revela um pouco a razão da existência de livros de autoajuda ou de aconselhamento, ou Psicologia, grupos de terapia, ou qualquer outro tipo de tratamento, algo que pode até dar um ânimo passageiro, mas que nunca vai chegar no íntimo da alma humana. Provérbios 14:10 “o coração conhece a sua própria amargura e o estranho não se entremeterá na sua alegria” Como poderíamos traduzir este versículo? Há coisas sobre mim mesmo, que só eu sei, alegrias e tristezas que outros não conseguem entrar no meu íntimo para saber. Uma das maiores bobagens que podemos falar e é fato que falamos, é quando estamos diante de alguém que está passando por uma aflição muito difícil, como uma doença ou a morte de um ente querido e dizemos que sabemos como ele está se sentindo. Mentira! Não sabemos! Pode ser que tenhamos de fato, perdido um ente querido, mas sabemos o que “nós” sentimos com relação a essa perda, mas aquela pessoa na nossa frente é outra. O ser humano é muito complexo para o reduzirmos a meia dúzia de fórmulas. É como o conhecimento, que sabemos que é coisa única.

Por exemplo, uma pessoa expõe determinado assunto a uma audiência e aquela audiência, quando sai da apresentação leva consigo um conhecimento, mas nunca um conhecimento igual ao que fez a preleção, e nunca igual a pessoa que está do seu lado. Ou seja, se houver cem pessoas na plateia e um palestrante falando, sairão dali, cento e uma pessoas, com cento e uma formas de conhecimento. Por uma razão muito simples, a informação que aquele palestrante passa, quando chega no cérebro de uma pessoa, encontra informações que são pertencentes àquela pessoa, ocorre então uma sinapse e aquilo se transforma em conhecimento. Mas é um conhecimento que foi criado a partir dos ingredientes que já existiam no cérebro daquela pessoa em particular, que eram diferentes dos do cérebro do seu vizinho na plateia e diferentes dos ingredientes do cérebro do palestrante. Logo, podemos entender que, a experiência de cada um é única. “O coração conhece a sua própria amargura”! A minha parte dos sentimentos, ou seja, a minha alma, conhece minhas amarguras, a sua alma conhece as suas amarguras e ponto! O estranho não se intromete e também não conhece a sua alegria, ele não vai conseguir invadir esse recôndito do seu ser, isso é algo somente seu. Então por mais que as palavras e a motivação humana possam ajudar aqui ou ali, nunca vai chegar no âmago do problema, no homem interior.

Uma outra passagem em Provérbios 16:2, e é bom lermos esse versículo porque até onde falei, posso dar a impressão de que me conheço bem, sei tudo sobre mim e sou a pessoa mais apta a dar conselhos a mim mesmo. E eu mesmo poderia, como falei dos livros, criar uma autoajuda própria, baseado nos meus raciocínios, onde eu mesmo conseguiria me “autoajudar”. O versículo fala, “todos os caminhos do homem são limpos aos seus olhos mas o Senhor pesa os espíritos”, ou seja, Ele conhece o mais íntimo do meu ser, melhor do que eu mesmo. Coisas que aos meus olhos podem ser muito boas, coisas que aos olhos do outro que me aconselha podem ser boas: o Senhor vai pesar os espíritos! Ele vai entrar no íntimo de cada um, e ali vai conhecer as razões. Ele conhece o que há realmente no mais interior do nosso ser, portanto se eu buscar em mim mesmo a solução para meus problemas espirituais, vou estar me enganando. Já que todos os caminhos do homem são limpos aos seus olhos, logo eu não sirvo para ser meu próprio juiz. Que coisa terrível isso! Não poder ser o piloto do meu próprio ser, porque eu também posso estar enganado.

Como Deus fala aqui, todos os caminhos do homem são limpos aos seus olhos mas o Senhor pesa os espíritos.

No capítulo 14, versículos 12-13 de Provérbios, lemos algo que reforça esse sentido: “Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.” Pense bem, todos temos um problema espiritual, pois nascemos assim. A Bíblia fala que o homem nasce pecador e isso veio de Adão, quando este caiu em pecado. Deus ofereceu a ele, ou melhor dizendo, colocou à sua disposição, uma árvore chamada Árvore da Vida. Deus não proibiu o acesso a essa árvore, Ele não disse “não comerás” da Árvore da Vida, mas falou, não comerás da árvore do conhecimento do bem do mal. Havia uma árvore que o homem não podia comer, porém Satanás enganou Eva, disse a ela que se eles comessem daquela árvore do conhecimento do bem e do mal, eles seriam como Deus, conhecedores do bem e do mal. E que Deus estaria privando-os desse conhecimento, como se assim, quisesse o mal de ambos. Aconteceu então que eles comeram do fruto da árvore, desobedecendo a Deus, e passaram efetivamente a conhecer o bem e o mal, mas sem o poder para fazer o bem, e sem capacidade de impedir o mal, que começou a corroer os seus corações. Nesse dia, o homem morreu espiritualmente. O pecado introduziu a morte do homem e hoje todo ser humano que nasce neste planeta traz em si, esse espírito corroído, detonado pelo pecado.

Talvez você possa falar que não se importa com o que aconteceu, nem mesmo, se aconteceu, para você isso não passa de um conto de fadas, você talvez acredite na evolução, que nós viemos de uma molécula, que substâncias se misturaram ao acaso, e o ser humano evoluiu de outros primatas, que você nem preocupado está com o que vai acontecer no final. Você pensa que “morreu, acabou, os vermes comem e pronto”. Mas, quem tem essa percepção da vida, quem não dá qualquer importância e não considera a nobreza da sua origem – ter sido criado à imagem e semelhança de Deus e que foi trazido ao mundo como descendente de Adão, criado à imagem e semelhança de Deus - quem acha que tudo isso é banal e prefere ser apenas fruto do acaso, e que no fim da sua vida não voltará para viver eternamente com Deus no céu, assim como Ele quer, quem não se importa com seu destino eterno, sua vida então, não tem importância alguma, já que tudo o que fizer aqui vai acabar, assim como o seu corpo será comido por vermes no fim, uma vez que esse corpo que você acredita que veio do nada, que surgiu do resultado do acaso, acabará, assim então com a sua vida.

Mas não é essa a vida que Deus determinou para o homem, não é isso que Deus deseja, Ele quer que você tenha uma vida abundante, uma vida feliz e de comunhão com Ele, quer uma vida da maneira como Ele concebeu ao homem, e muito mais. Porque Ele fala de nova criação no fim, melhor do que aquela vida que Adão possuía no começo, no Jardim do Éden.

Esse versículo em Provérbios 12, diz que há caminho que ao homem parece direito mas o fim dele são caminhos de morte. Ou você pode pensar que vai fazer isso, ou aquilo, e se você for alguém religioso, vai fazer bem ao próximo. Esses são os caminhos que você está escolhendo, mas que amparos, que segurança, você tem neles? “Caminhos que parecem direitos ao homem”, mas aqui diz também, que esses podem dar em morte. Portanto, preciso saber de onde vem a palavra que realmente pode consolar meu coração, curar meu espírito, que caminho pode realmente me levar a eternidade, a salvação eterna, sabendo que isso não virá de mim, mas por revelação de Deus.

É por esta razão que quando pegamos o Evangelho, abrimos a Bíblia, porque ela é a palavra de Deus revelada ao homem. “Havendo Deus falado por muitos profetas no passado, nesses últimos dias falou pelo filho, por Jesus Cristo” a imagem de Deus! Aquele que é Deus, que se tornou homem para estar acessível a nós.

Então, nem mesmo seu melhor amigo pode entender as suas tristezas em profundidade, porque ele é só um ser humano. Mas, existe um amigo mais chegado do que um irmão, e ele é Cristo, aquele que entende as suas necessidades, entende o que há de errado com o seu espírito, e o que está errado com seu espírito, chama-se pecado! Esse mesmo que herdamos e que vem do Éden.

Em Provérbios 28:1 vemos um bom exemplo de pecado, que também encontramos em Levítico: “fogem os ímpios sem que ninguém os persiga”. Porque o ímpio, que é o pecador, foge sem que ninguém os persiga? Quem aqui já não quis fugir de si mesmo? Das circunstâncias que surgem na vida, fugir da família, do momento, quantos de nós já não quis fugir, sem que ninguém nos perseguisse? Quanta gente foge, quantos se suicidam! Essa época de fim de ano, principalmente, é campeã nisso. E do que elas fogem? Da vida! Por causa do pecado. “Fogem os pecadores sem que ninguém os persiga”. Ninguém os persegue, mas há a consciência do homem que o acusa, é o coração do homem que é triste, que está quebrado, fraturado, é o espírito do homem que está doente. É por isso que o homem foge sem que ninguém o persiga, o pecado que criou em nós um vazio de tamanho imensurável, um vazio do tamanho de Deus!

Esta passagem é tirada do Pentateuco, da Lei, que era uma das maldições que Deus iria derramar sobre o seu povo (Israel) caso ele fosse desobediente. Eles fugiriam sem que ninguém os perseguissem, como consequência de seus pecados, de sua desobediência.
  
Voltando agora a Provérbios 14:12 “Há caminho que ao homem parece direito mas o fim dele são caminhos de morte, veja o versículo 13: “até no riso terá dor o coração e o fim da alegria é a tristeza.” Nesta hora você deve estar pensando, - poxa Mário, eu vim até aqui, e está certo que você avisou que não falaria palavras motivacionais - mas também não precisa me por tão para baixo, “o fim da alegria é tristeza”? isso é deprimente. Se até o riso, terá dor o coração e o fim da alegria é tristeza, então o que farei? Que solução há para mim, como sair dessa? - Sabemos que isso é verdade e aquele que foge sabe, que no fim, tudo vai acabar, que não vai dar certo, que não vai encontrar a alegria perfeita. E mesmo aquele que pensa não fugir, foge também. Ele tem sua própria fuga nas coisas, ou em algo onde possa colocar o seu coração com muita vontade, com muita dedicação. A pessoa parece desligar-se da realidade, entregando-se de corpo e alma ao trabalho, ou ao sexo, ou às drogas, tudo isso é uma fuga! Há muitas pessoas que fogem o tempo todo, aprisionando seu coração em algo e fazendo qualquer coisa para se agarrar àquilo como uma tábua de salvação, sem a qual não consegue viver.

O versículo 30 do mesmo Capítulo 14, de Provérbios, nos mostra mais um pouco dessa fuga, “o coração com saúde é a vida da carne”. Se foi dito aqui que somos espírito, no mais íntimo de nosso ser, e o nosso coração é equivalente a nossa alma, que é onde estão nossos sentimentos e emoções, então um coração com saúde é a vida da carne. O meu corpo vai passar bem se o meu coração ou minha alma, estiver bem. Logo, sabendo disso, procuro alimentar meu coração com as emoções corretas, porque assim terei uma vida feliz, e meu corpo vai passar bem. Então tento me divertir, me distrair, fazer coisas que me alegrem, ouvir uma música bonita e coisas que alimentem meu coração de boas emoções, de boas energias, a fim de ter uma vida feliz. Porém a continuação do versículo me diz algo também, “a inveja é a podridão dos ossos”.

Como em um versículo apenas, podemos colocar coisas tão antagônicas? “O coração com saúde e a vida da carne” então eu vou procurar alimentar meu coração com coisas que me alegram, e isso inclui alimentar minhas emoções, como aquele carro novo que eu queria, isso vai me deixar feliz! Ou aquela pessoa pela qual estou apaixonado, isso vai me trazer alegria! Ou ainda aquele curso que eu queria fazer, agora sim! Quando eu conseguir tirar aquele diploma, então minha alegria será completa, ou quem sabe, aquele emprego que eu tanto almejava! “ A inveja é a podridão dos ossos” E o que é a inveja? Ora, é querer ter ou ser, aquilo que não temos ou não somos.

O outro tem, ou é, logo, quero ter o que ele tem, quero ser como ele é! E busco desesperadamente ser ou ter isso. Porque se eu for, ou se tiver, serei então feliz, e meu coração também. E os meus problemas? Se resolvem? Não! Porque tudo acaba! “O fim da alegria é tristeza” e “até no riso terá dor o coração”, é isso o que fala o versículo 13 desse mesmo capítulo de Provérbios. Então por mais que eu procure, aquela alegria vai acabar um dia.

Tivemos todos aqui, de diferentes maneiras, alegres jantares em família. A péssima notícia é que isso também vai acabar! Quantos de nós, mais velhos, já vimos tantas coisas acabarem? E isso nem mesmo é exclusividade nossa, porque os jovens também veem isso, quer seja um namoro que acaba, uma frustração sentimental, um vestibular que ele tanto se preparou, e não passou. Quantas frustrações acontecem! Mesmo as coisas que nós almejamos, acabam, porque tudo tem fim nesta vida, absolutamente tudo. “O coração com saúde é a vida da carne mas a inveja é a podridão dos ossos”.

Lembre-se, porém, que estamos falando de coração no sentido de alma, a parte sentimental do nosso ser, falamos dos sentimentos, das paixões, das emoções, das coisas que nos movem. Todas elas são trabalhadas no coração, é lá que está a origem dos nossos sentimentos. “O coração alegre aformoseia o rosto mas pela dor do coração o espírito se abate” lemos em Provérbios 15:13-14. Então, no momento em que acabam todas as esperanças nas coisas que procurei e dediquei tanto do meu coração, a vida inteira, o que vai restar é um espírito abatido, deprimido, na parte mais interior do homem. Voltamos àquele lugar mais profundo de nosso ser. Ali haverá ainda um vazio, mesmo que o coração alegre aformoseie o rosto, a dor no coração vai levar ao abatimento do espírito. Mas, ainda bem que há o versículo 14, de Provérbios 15 “o coração entendido buscará o conhecimento” E o conhecimento que tenho que buscar tem que ser o único, aquele que é vital para minha salvação: conhecer a Deus e a Jesus Cristo a quem Ele enviou para morrer no meu lugar, para me salvar!

Os homens passam pela vida ansiosos por conhecimento. Hoje vivemos na era do conhecimento, as pessoas lotam escolas, igrejas, os templos, em busca de conhecimento natural, conhecimento científico nas universidades, de conhecimento espiritual nas religiões, enfim. Todos atrás de conhecimento. Sempre que venho aqui no domingo à noite, passo por um lugar que deve ter uma reunião budista, e a rua sempre está cheia de carros. Todos estão ali buscando um conhecimento, que de alguma forma possa aplacar esse desejo de fuga.

Não irá encontrar, por que o único conhecimento que Deus quer dar ao homem é o conhecimento de Jesus Cristo, nosso Salvador! Deus revelou isso na sua palavra.

Lemos em Provérbios 13:12 “a esperança demorada enfraquece o coração mas o desejo chegado é a árvore de vida”. Essa é a esperança que o homem tem de um dia ser feliz, de ter uma vida plena, mas que não pode ser obtida de maneira artificial, mesmo que ele a busque em leitura de livros de autoajuda, ou obtendo aquele carro, aquela mulher, tendo dinheiro, trabalho, conhecimento humano, ou ciência, tudo isso pelo qual ele luta. Pois chega o momento em que ele descobre que essa esperança está demorando demais. Seu coração, sua alma, está enfraquecido, porque não encontra solução para essa esperança, não encontra fora de si e tampouco dentro de si mesmo.

A continuação do versículo fala que o desejo chegado, ou seja, aquilo que você quis, chegou para você, está ali, é árvore de vida! Que árvore de vida é essa?

Havia uma árvore da vida no Jardim do Éden. Como falei, não era a Árvore da Vida eterna, porque se Adão e Eva comessem daquele fruto, eles viveriam não eternamente, pois vida eterna e vida perene são coisas diferentes. A vida eterna é uma vida que não tem começo nem fim, uma vida perene é uma vida para sempre, sem fim, mas que teve um começo. A vida eterna portanto, só pode ser encontrada em Cristo. Ele é a vida, porque ele é Deus! Logo, uma pessoa que tem Cristo, tem a vida, quem não tem Cristo, não tem a vida.

Mas essa Árvore da Vida, no jardim do Éden, nos fala de uma vida plena, feliz, de uma vida constante, para sempre com felicidade, alegria e prazer.

É interessante que essa Árvore da Vida no Éden, aparece outra vez em Apocalipse. Ela está no primeiro e no último livro da Bíblia, como uma árvore que seus frutos servirão de alimento e as suas folhas de cura para o corpo.

Uma árvore é algo que realmente pode nos sustentar. Se há uma árvore de vida plena, de vida alegre, de vida feliz, de vida que me mantenha sempre numa situação em que mesmo em circunstâncias terríveis eu consiga lidar com elas - porque o problema do meu espírito já foi resolvido e estou curado - então eu quero essa árvore!

E veja que curioso, Deus usa a palavra “árvore” em Gênesis e Apocalipse. E ainda mais curioso, a mesma palavra usada em ambos os livros, aparece também nos Evangelhos. Infelizmente nas nossas traduções a palavra foi mudada, usaram uma palavra diferente para cada situação, mas se você pesquisar num original grego ou hebraico, no Antigo Testamento, é a mesma palavra: árvore! Ela foi introduzida no Novo Testamento, nos Evangelhos, por madeiro, em vários lugares. Mas é a mesma palavra, árvore, que era a da vida, no Jardim do Éden. E é a mesma palavra sobre a qual Zaqueu subiu, quando tentava ver o Senhor Jesus que passava. É a mesma palava da árvore debaixo da qual o Senhor Jesus e mais dois anjos, apareceu para Abraão, e fizeram uma ceia, em Gênesis. E é a mesma palavra onde Cristo foi crucificado. Segundo o original, o Senhor foi crucificado numa árvore, no madeiro. Claro que não era uma árvore com folhas e frutos, mas um madeiro, que é a mesma palavra usada para tronco, e árvore. Em todas essas passagens!

Agora veja que interessante, se por um lado nós temos uma árvore da vida e por outro temos uma árvore da morte, porque Cristo foi pregado no madeiro e a Bíblia fala que maldito é aquele que for pendurado num madeiro, logo, a mesma coisa que poderia trazer vida, trouxe morte para um.

Por que Cristo seria pregado nesse madeiro para ali morrer? Para justamente resolver a nossa situação do pecado! Aquele pecado que um dia destruiu o ser humano, até o mais íntimo do seu ser.

E Deus só tinha um jeito para resolver isso, um outro ser humano precisaria morrer no lugar do homem pecador. E isso Cristo fez no madeiro, na árvore, lá no monte do Calvário, do lado de fora de Jerusalém. Ali ele morreu, entregou sua vida depois de receber sobre o seu corpo os nossos pecados, depois de ser feito pecado e maldição por nós. Deus lançou toda a Sua ira e juízo, que tinha que lançar sobre o pecado, e sobre o pecador, sobre ele, como se seu corpo fosse um pára-raio recebendo toda a carga do juízo de Deus, naquelas três horas de trevas. Ele entregou a sua vida, entregou o seu espírito, morreu de vontade própria! Ninguém o matou, ele simplesmente morreu porque tinha poder para morrer de vontade própria, ele tinha o poder de fazer cessar sua vida naquele momento, porque ele é a vida! O autor da vida, foi o autor do cessar da sua própria vida, ali na cruz do Calvário, para que nós pudéssemos ter vida. E não só vida, mas vida eterna, para que nós pudéssemos ter os benefícios dessa árvore que Deus não havia proibido a Adão no Eden, mas que precisou vedar-lhe o acesso. Porque, se depois da queda, Adão e Eva comessem daquela árvore da vida, eles viveriam para sempre naquela condição horrível de pecado.

Imagine hoje, vivermos para sempre. Qual seria o melhor dos prognósticos? Viraríamos zumbis, caindo pedaços do nosso corpo, ou algo assim, porque esse corpo vai se desmoronando por causa do pecado e das doenças, e tantas coisas que são abomináveis ao homem, à perfeição. Por isso, Deus vedou o retorno de Adão e Eva, os expulsou dali, colocando um anjo com uma espada inflamada na entrada do jardim para que eles não voltassem, para que não comessem daquele que era originalmente, um fruto para trazer alegria perene, mas que se transformaria numa maldição, se eles o buscassem na condição de pecador.

Mas quando você crê em Jesus como seu Salvador, quando você reconhece que ele na cruz estava levando seus pecados, Deus então vem até você e o cura. O sangue de Jesus Cristo, Seu Filho nos purifica de todo pecado. Aquele nosso problema interior, é eliminado, aquele câncer, é extirpado, e agora você pode ter os benefícios dessa Árvore da Vida. Agora você pode ter tudo o que ela representa.

Uma árvore! Cristo morreu no madeiro, aquela árvore sem galhos, sem folhas, sem raízes , um tronco nu, e ele morreu nu, pregado em um tronco nu, uma cruz, um tronco com uma trave em cima, mas porque ele morreu ali, nós podemos ter os benefícios de uma árvore, a Árvore da Vida!

E que benefícios são esses que Deus queria nos dar? Pense num árvore e em tudo o que ela nos fornece. Você já correu para debaixo de uma árvore a fim de se esconder do sol? Ela refresca, traz refrigério, faz sombra, embeleza a paisagem. Quem já esteve num país onde as estaçoes são bem definidas sabe que quando chega o inverno, as árvores perdem suas folhas. É uma coisa que deprime, como esqueletos na paisagem, então vem a primavera e tudo começa a florir, vem as folhas e tudo fica lindo, com vida! Árvore tem vida! Árvore dá frutos, fornece alimento, uma árvore sustenta. Uma pessoa pode ser sustentada por árvores frutíferas, como no Jardim do Éden, quando Deus deu as árvores e seus frutos para o homem se alimentar. Uma árvore tem também um tronco. O homem até hoje não conseguiu produzir um material tão resistente, tão leve e tão versátil como a madeira. Esse material que tanto usamos, que está em todo lugar. Há árvores que são plantadas para serem usadas em variadas coisas e que não dá para substituir. Existem certamente, outros materiais modernos, mas a madeira continua sendo usada para muitos fins. O tronco de uma árvore nos fala portanto, de resistência, de força. Uma árvore tem raízes também, que nos fala de segurança. Pode vir tempestade, ventania, ela balança mas permanece muito segura, presa ao solo.

Quando pensamos nos benefícios que Cristo dá a um pecador arrependido, aquele que vai até ele, que crer Nele como salvador, pensamos no abrigo. Ele nos abriga, nos refrigera, nos alimenta, ele é o pão que desceu do céu, é a nossa força, Cristo é a nossa força! Ele é nossa segurança, não temeremos, porque estamos arraigados em Cristo, nosso Salvador!

Quem não tem isso, vai continuar com o mais interior do seu ser, doente, apodrecendo e ao mesmo tempo tentando aqui ali e uma coisa ou outra, a fim de alegrar seu coração, mas sabendo que tem data de vencimento, porque nós temos data de vencimento.

Não há nada fora de Cristo que possa em definitivo, resolver o problema do homem. Os discípulos, logo depois da morte e ressurreição do Senhor, parece que esquecerem de tudo o que aconteceu, voltaram a pescar, ou seja, voltaram a fazer as mesmas coisas que faziam antes, então o Senhor apareceu para eles na praia, e perguntou: - Filhos vocês tem alguma coisa de comer? - E eles respondem negativamente. Mas o Senhor os chama e eles vão até a praia, onde havia um braseiro, com peixe para eles comerem. Sempre que buscarmos fora de Cristo a satisfação para qualquer que seja nossa necessidade mais interior, vamos estar com fome. E esse é um mundo faminto, um mundo de pessoas que estão fugindo sem que ninguém as persiga, somente sua consciência. Pessoas que tem o desejo por algo que preencha seu coração.

Pare de fugir! E creia em Jesus Cristo como seu Salvador!