Pesquisar este blog

Para fazer download do mp3 clique com o botão direito do mouse sobre o link e escolha salvar.

Sua unica viagem - Mario Persona

Sua única viagem - Mario Persona (mp3)
http://files.3minutos.net/evangelho/Sua-unica-viagem-MPersona.mp3


Youtube: https://youtu.be/yCOcdQ3B3vo

Sua única viagem
Mario Persona

Este mês de fevereiro, no final do mês, eu completo 62 anos. Não estou pedindo presente não. Mas é uma experiência interessante ser idoso. Participar da terceira idade, dessa classe de pessoas idosas, pessoas que já “estão mais pra lá do que pra cá”, como costumamos dizer.  É  interessante porque a vida é uma viagem, com partida e chegada.

Todos nós temos uma partida e temos uma chegada, e isso independente do que a pessoa crê ou não; do que ela acredita ou deixa de acreditar. Todos aqui tiveram um ponto de partida, entraram um dia nesse voo transoceânico, trans planetário, ou trans qualquer coisa, para chegar num lugar.

E que lugar é esse?

Uma vez eu peguei um vôo para os Estados Unidos e havia mais uma pessoa que ia voar também, umas duas ou três horas depois de mim. Conversamos no aeroporto e quando eu já estava chegando ao meu destino, eu comecei a pensar: “puxa vida, coitada daquela pessoa. Ela ainda tem mais três horas de viagem e eu já estou chegando, quase desembarcando, e ela ainda está lá naquele trecho, lá atrás”. Esse é o sentimento, mais ou menos, de todo cristão quando ele vai se aproximando da hora do desembarque.

É claro que um voo tem suas virtudes e seus atrativos; para quem viaja pela primeira vez ao exterior principalmente, tudo é novidade. O aeroporto é novidade, e você faz selfie em todo canto do aeroporto. Você entra no avião e fica examinando tudo; vai ao banheiro umas quatro, cinco vezes, só para descobrir os botõezinhos que tem ali, o que faz e o que não faz e se viajar de primeira classe então, aí é uma maravilha – eu nunca viajei assim, mas deve ser uma maravilha – porque tem todo aquele conforto.

Mas depois de certo tempo, você já assistiu todos aqueles vídeos que tinham para assistir. Você já ouviu todas as músicas, já leu tudo o que tinha para ler. Você já jantou e a comida já não está fazendo muito bem nesse momento e você quer mais é desembarcar. Você quer chegar ao seu destino.

Nem todos os seres humanos pensam assim a respeito da vida.

A maioria se apega, se agarra ao avião e não quer descer de jeito nenhum.

A aeromoça diz:

- Amigo, chegamos ao nosso destino. 

- Não! Não me tire daqui de jeito nenhum!

Mas a viagem é uma passagem; e não a vida. Não é um bom lugar para se ficar para sempre.

Todos nós estamos aqui de passagem. Não tem distinção. Não importa se você acredita ou não em qualquer coisa. Você vai ter que desembarcar dessa vida uma hora.

E eu estava lendo esta semana o capítulo 5 de Marcos e vi alguns elementos ali que me fizeram pensar em como essa viagem pode ser para qualquer ser humano.

São basicamente três coisas que acontecem no capítulo 5.

Você tem a primeira parte do capítulo, quando o Senhor Jesus visita a terra dos gadarenos, e lá Ele encontra um homem possesso de espírito imundo e que ninguém consegue conter.

Vamos abrir em Marcos 5:1: “E chegaram ao outro lado do mar, à província dos gadarenos. E, saindo ele do barco (saindo Jesus do barco) lhe saiu logo ao seu encontro, dos sepulcros, um homem com espírito imundo; O qual tinha a sua morada nos sepulcros, e nem ainda com cadeias o podia alguém prender; porque, tendo sido muitas vezes preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram por ele feitas em pedaços, e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar. E andava sempre, de dia e de noite, clamando pelos montes, e pelos sepulcros, e ferindo-se com pedras. E, quando viu Jesus ao longe, correu e adorou-o. E, clamando com grande voz, disse: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? conjuro-te por Deus que não me atormentes. (Porque lhe dizia: Sai deste homem, espírito imundo.)”

Ele se revela como uma legião de demônios que ocupava aquele homem.

Eu chamaria essa aqui a parte da viagem na qual a maioria das pessoas está... Elas estão viajando sem saber que estão sendo controladas. E controladas não por si mesmas, mas por Satanás.

Você talvez fale “uau! É muita audácia dizer que todas as pessoas são controladas por Satanás”.

Bem, na carta de Paulo aos Efésios é exatamente isso o que é dito no capítulo 2, quando ele está falando da condição em que estavam aqueles efésios, os habitantes cristãos que moravam na cidade de Éfeso. Ele disse que eles estavam mortos. No versículo 1 ele fala: “vos vivificou estando vós mortos em ofensas e pecados”, e isso condiz muito com o lugar onde mora esse homem possuído de espíritos imundos. Ele mora entre sepulcros, porque esse mundo aqui nada mais é do que um grande cemitério! E espiritualmente falando, os homens estão mortos nos seus delitos e pecados; estão mortos aos olhos de Deus.

Quando Adão e Eva caíram em pecado, desobedecendo a única ordem que Deus havia dado no Jardim do Éden (que era não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal), a consciência deles veio à tona. Eles tiveram conhecimento e passaram a ter consciência do bem e do mal.

Todavia, Deus havia dito: “se dela comerdes, certamente morrerás”, portanto, se eles comessem daquela árvore, eles morreriam. Entretanto, Satanás falou que não, “ah esquece, vocês vão ser como Deus, conhecedores no bem e do mal”.

Porém, o que aconteceu de fato é que eles morreram espiritualmente.

Então Deus quando olha para este mundo, Ele vê o que?

Ele enxerga um filme como o “Walking Dead”, um seriado de zumbis, de mortos caminhando para todo lado, para lá para cá, sem destino, sem noção de onde vão e nem do que fazem.

Não faz sentido o que o ser humano faz. 

E a Bíblia usa não só essa figura do homem morto nos seus delitos e pecados, mas também do homem louco, como representando o homem pecador.

Quando o Senhor Jesus conta aquele caso do homem rico, que já tinha muitas coisas e que falou:  “vou construir mais celeiros, vou fazer isso, eu vou fazer aquilo, vou falar para minha alma, descansa alma, porque agora tem preparado, etc, etc”, E  uma voz disse para ele: “louco, louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado, para quem será?”

Louco!

Porque ele não percebeu que não vai morar no avião...

O avião vai chegar ao destino e ele vai ter que descer.

A maioria dos seres humanos não percebe isso; não percebe que terá de descer desse avião, terá de desembarcar dessa viagem.

Em Efésios 2, fala: “estando vós mortos”... Essa é a condição do homem aos olhos de Deus.

“Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo”.

O que é andar segundo o curso deste mundo?

Opinião pública! Andar segundo a opinião pública. 

Você compra a Veja e lá você vê na opinião pública: “tantos por cento de pessoas acreditam em Deus, tantos não acreditam. Tantas pessoas acreditam que tem que ser assim, etc”. E você fala “deixa eu ficar com a maioria então. Porque a maioria vai estar certa”.

Não é assim!

Ali mais à frente no pasto, tem esterco com milhões de moscas em cima, e  isso não quer dizer que é uma boa alimentação para qualquer ser humano.

Não é porque é a maioria que vai estar certo. Não é!

Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, (aqui entra uma questão séria) segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também”.

O que ele está dizendo aqui é o seguinte: as pessoas vivem segundo a moda, segundo a opinião pública e segundo o que a maioria decide, fazendo os desejos da própria carne.

“Ah, eu gosto disso, eu gosto daquilo. Eu vou fazer. Sou dono do meu nariz. Eu vivo do jeito que eu quero...”

E fazendo também a vontade dos pensamentos.

“Eu acho isso, acho aquilo e acho aquilo outro. Eu sei o que é bom pra mim. Ninguém tem nada a ver com minha maneira de pensar. Eu sou assim, eu nasci assim, vou morrer assim, chamo-me Gabriela, como na música. Eu sou assim, ninguém vai me mudar.”

Muito bem! Mas é interessante que o versículo 2 fala que anda segundo a vontade da carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos. Mas no versículo anterior ele diz que na verdade, o que está por trás disso, com o “rádio controle” nas mãos, não é o próprio ser humano...

Se você acha que faz a sua própria vontade, anda do jeito que lhe der na cabeça, que toda sua trajetória aqui neste mundo foi você que controlou e que você é mais você, “ah, eu sou mais eu! Eu sou dono meu nariz, do meu destino”, eu sinto dizer que você não é!

Porque “andou segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, o espírito que agora opera nos filhos da desobediência”.

O que é opera?

Quem já viu um rádio controle, um joystick dos carrinhos de controle – não sei se algum garoto aqui tem um desses carrinhos, ou um aviãozinho de rádio controle – enfim, tem também o drone de rádio controle. Tudo é radio-controle; tem o joystick, que são aqueles dois palitinhos que você acelera, freia, dirige para a direita, esquerda, sobe e desce se for avião; é isso o rádio controle.

Na verdade, tem alguém, um cérebro por detrás de você, fazendo-o andar de um jeito que você pensa que está andando, segundo a sua própria vontade, mas só que não está!

Você pode ter até a energia própria do motorzinho do seu avião, ou do motorzinho do seu carrinho, mas é o piloto que está ali no seu joystick, e ele não é uma criança; ele é alguém muito velho e experiente em dizer ao homem vai para esquerda ou vai para a direita. E esse chama-se Satanás, a Bíblia o chama de diabo.

Só existe um diabo. A palavra diabo na Bíblia nunca aparece no plural, só no singular.

Existem muitos demônios – que são seres espirituais também – e existe o diabo, que é Satanás, e ele usa desses demônios e controla as pessoas. 

E o que Paulo está escrevendo em Efésios é que você não tem vontade própria; você é teleguiado.

Agora, voltando em Marcos 5, nós vemos um homem teleguiado por Satanás; morto e vivendo entre os sepulcros. Quem o olhasse poderia falar “esse cara vive onde? No cemitério? Ah, ele morreu...”. O único lugar, que é onde está toda pessoa que morre, é o cemitério.

Mas este homem aqui está vivo.

Mas vivo como?

Vivo, mas quem o controla são os demônios que o invadiram! 

Mas e ninguém faz nada?

Claro que faz! Quem deixaria um cara assim solto? Fazendo qualquer coisa que os demônios querem que ele faça?

“Então vamos botar grilhões. Vamos acorrentá-lo! Vamos botar algemas nele!”

Mas o que acontece no versículo 4: “tendo sido muitas vezes preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram por ele feitas em pedaços e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar”.

O homem inventou a religião para colocar grilhões em si. Para que ele andasse de uma maneira que não fosse tão agressiva; para que ele andasse de maneira que não fosse tão cruel com seu semelhante.

Os homens tentam controlar tudo com religião, filosofia, psicologia; estes são todos instrumentos usados para fazer o homem “andar nos trilhos” e enquanto ele andar nos trilhos mais ou menos, vai estar bem.

Então está bom, não é? Está funcionando direitinho, do jeito que a sociedade manda.

Existem os costumes, existe a cultura de um país.

Você mora no Brasil, você sabe que isso é legal, isso não é legal, que fazer isso não vai dar certo, que você vai ficar mal se falar aquilo, etc. Há toda uma série de coisas.

E quando você muda de país é diferente. Cada país tem a sua cultura, religião, suas leis e regras.

Você está hoje sendo controlado por coisas, para tentar mantê-lo pelo menos comportado, como fala no versículo mais adiante, depois que o Senhor Jesus liberta esse homem e os cidadãos da cidade vêm ver o que aconteceu.

No versículo 15, eles veem o seguinte: “foram ter com Jesus e viram o endemoninhado, o que tivera a legião de demônios, assentado, vestido em perfeito juízo”.

Então, essa é a condição que o homem fica na sociedade, quando é controlado por instrumentos externos de controle. Mas aqui, claro, esse homem estava assim porque foi liberto por Cristo.

Já o homem no seu estado natural, como ele vem ao mundo, é assim: controlado não por Deus, mas pelo demônio.

Eu falei que são três etapas, basicamente, da viagem do ser humano e é importante você tentar descobrir em que etapa você está.

Será que você é esse que nunca conheceu a Cristo?

Esse homem, antes de conhecer a Jesus e ser liberto dos demônios, estava daquele jeito, naquela situação triste. Será que você é esse?

Ou você talvez seja aquele que já foi liberto por Cristo? Amém, glória a Deus por isso!

Mas existe uma outra passagem aqui, que nos fala da condição humana de uma outra perspectiva, como doente. O homem está doente!

A Bíblia fala que a vida está no sangue. Nós temos, eu acho, um garrafão de 5 litros de sangue. E se você tirar esses cinco litros de sangue, você morre. Acho que aqui todo mundo já brincou na hora de tirar sangue para fazer exame, “não tirar tudo, viu? Deixa um pouco aí”.

Mas é claro que não vai fazer diferença aquelas gotas. Enfim, são cerca de 5 litros de sangue e se você perder, você morre, porque a vida está no sangue.

Nós vamos encontrar uma mulher que está morrendo, que está perdendo sangue.

E nessa viagem que todo ser humano está embarcado, é como se seu avião estivesse perdendo os fluídos hidráulicos durante o voo. Que desastre isso vai causar!

Porque tudo no avião funciona à base de fluídos hidráulicos. Outras coisas funcionam na base de comandos elétricos, mas muita coisa depende do óleo que circula nesses tubinhos. Por todo canto do avião tem tubinhos; quando ele vai descer, quando ele levanta voo, quando a asa se abre para ele reduzir a velocidade. Ali tem um monte de tubinhos e ali circula fluído hidráulico para levantar, para fechar, abrir as coisas, mexer, descer trem de pouso, subir... E ele está perdendo esse fluído, e vai entrar em parafuso. Vai acabar se destruindo.

Essa mulher está perdendo o seu “fluído hidráulico”, o sangue do qual ela depende para viver.

Do versículo 21 em diante, do capítulo 5 de Marcos, quando o Senhor volta para o lugar onde Ele estava com o barco, e no capítulo 5:24 lemos: “E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava. E certa mulher que, havia doze anos, tinha um fluxo de sangue, E que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior; Ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou na sua veste. Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei. E logo se lhe secou a fonte do seu sangue; e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal. E logo Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-se para a multidão, e disse: Quem tocou nas minhas vestes? E disseram-lhe os seus discípulos: Vês que a multidão te aperta, e dizes: Quem me tocou? E ele olhava em redor, para ver a que isto fizera. Então a mulher, que sabia o que lhe tinha acontecido, temendo e tremendo, aproximou-se, e prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade. E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai em paz, e sê curada deste teu mal”.

Vai em paz e sê curada desse teu mal!

Esta mulher está no meio de uma multidão, está todo mundo se amontoando em volta de Jesus; todo mundo tocando Nele. Está todo mundo encostando Nele, mas aqui acontece uma coisa diferente de todo o mundo: essa mulher tem consciência do seu mal, tem consciência da sua hemorragia, tem consciência de que vai morrer e de que ela precisa ser curada. Ela tem consciência da sua necessidade. O que talvez ela não tenha é muita coragem de chegar para Ele como chegou um pouco antes Jairo, que era um chefe da Sinagoga, e falou: minha filha está muito doente, vá lá curá-la. E enquanto Ele está indo para a casa de Jairo, é quando acontece esse episódio com a mulher.  Ela não tem essa audácia de chegar a Jesus e pedir para Ele a curar. Ela é tímida, envergonhada.

Ela não gosta de aparecer na frente de todo mundo e de confessar o seu problema diante de todos. Por isso ela pensa “puxa, se eu apenas tocar nas vestes Dele, eu vou ser curada!”.

Isso é fé! Não nela, mas fé na pessoa de Jesus.

Ela sabia que bastaria um toque para ser curada.

Ela faz isso, toca Sua veste e na mesma hora o Senhor sente que saiu poder Dele.

Ela é curada na mesma hora.

E ele faz uma pergunta retórica, que é uma pergunta que se faz não porque não se saiba a resposta, mas porque se quer manifestar algo, se quer instigar alguém a dar uma resposta; “quem me tocou?”. Ele sabe quem Lhe tocou. Ele é Deus e homem! 

E a mulher percebe que não terá como esconder. Então, o que Ele quer é que ela revele o que ela fez, que ela traga à tona o que fez, e é isso o que ela faz.

Enquanto isso, os discípulos falam: “mas Senhor, está todo mundo tocando, encostando no Senhor, Lhe apertando e o Senhor pergunta quem Lhe tocou?

Porque só uma pessoa tocou com fé.

Só uma pessoa sabia da sua necessidade e da sua perdição; sabia do seu destino de morte, e tocou com fé, porque reconheceu Nele a cura e a salvação.

Então a mulher, que sabia o que lhe tinha acontecido, temendo e tremendo, aproximou-se, e prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade”.

As palavras que ela recebe, da boca do Senhor Jesus fazem uma diferença tremenda para ela. Porque pense assim, imagine essa mulher, ela tocou Nele, sentiu-se curada na mesma hora e foi embora. Amanhã, ela sente um mal estar, o que vai acontecer com ela?

“Minha doença voltou, ele não me curou totalmente.”

Ela nunca teria a certeza daquela cura.

Ela ficaria sempre na dúvida, “será que é temporário? Será que não foi só no momento? Será que não foi a emoção? Será?”. 

Por isso é importantíssimo o que ela escuta da boca do Senhor quando Ele fala para ela: “a tua fé te salvou, vai em paz, sê curada desse teu mal”.

Isso chama-se certeza da salvação.

Hoje milhares de cristãos em todas as igrejas e religiões cristãs do mundo, que professam Jesus como seu Senhor e Salvador e que andam com a Bíblia debaixo do braço, se você chega para eles e pergunta: você crê em Jesus?

“Sim, eu creio em Jesus. Eu realmente creio. Ele morreu por mim na cruz.”

Você tem a salvação?

“Ah, eu acho que sim. Assim espero, porque seria muita pretensão eu dizer que tenho, não é?”  

E para onde você vai se morrer agora?

“Eu não sei, só Deus sabe... Eu preciso me esforçar mais. Tem mais coisas que eu tenho que fazer.”

Mas então espera um pouquinho, você crê ou não?

Porque fé é a certeza, não é a dúvida. É a certeza das coisas que se esperam, das coisas invisíveis, das coisas que você não vê. 

E Deus não quer que uma pessoa conheça Jesus apenas com seu intelecto, mas que ela creia em Jesus por fé! Que creia realmente que Jesus é suficiente para salvar.

Quando Ele veio ao mundo, Ele não veio com a missão de nos dar exemplo de como viver, apesar de nos ter dado. Mas muita gente pensa que tem que imitar Cristo para ser salvo.

Que ótimo! Então vamos começar por essa imitação: imite-O sem pecado! Porque Ele era sem pecado.

Como fazer já que você nasceu pecador?  

É impossível imitar Cristo para ser  salvo!

É claro que Ele é um exemplo tremendo para nós e todo cristão deve tê-Lo como exemplo, mas não para a salvação, e sim para andar depois de ter sido salvo; para andar aqui como Ele andou. Mas isso depois de já ter recebido a salvação, porque a salvação é por graça. Não é por obras, não é por caridade. A salvação não depende de nós. A salvação foi paga por Cristo na cruz.

Quando Deus olhou a humanidade e viu que não tinha ninguém apto para cumprir a obra de retirada do pecado do mundo e de resgate do pecador, Ele foi obrigado a enviar o seu próprio Filho. Porque não existia outro que poderia fazer essa obra.

Jesus veio ao mundo, se fez carne, foi até a cruz, morreu ali. Não como mártir. Não como alguém que a sua missão não deu certo. Ou morreu como mártir para nos mostrar que temos que morrer também como mártires. Não foi isso!

Ele foi  sacrificado. Ele morreu no lugar do pecador.

Imagine uma pessoa na cadeira elétrica, daí vem outro e confessa o crime como sendo dele. O juiz diz: “então tá bom. Tira esse e bota o outro”. Foi isso que Ele fez.

E por que Ele fez isso?

Porque se eu e você tivéssemos que pagar pelos nossos pecados, a paga pelo pecado é a morte e a condenação eterna. Então não teria resolvido coisa alguma. Nós morreríamos, seríamos condenados eternamente e jamais estaríamos livres dessa condenação.

Mas, quando Cristo veio, na cruz Ele pagou, Ele cumpriu uma obra, em três horas de trevas foi castigado por Deus. Não pelos homens. Estes o castigaram nas três horas anteriores, mas por Deus Ele foi castigado durante três horas e ali Ele cumpriu a obra da salvação.

O sangue Dele nos purifica de todos os nossos pecados.

Ele foi sepultado e ao terceiro dia Deus O ressuscitou, dando mostras de que a justiça de Deus tinha sido feita.

É impossível uma pessoa ser salva sem justiça, sem justificação.

O que a justificação?

É Deus ter alguém por justo, porque já se cumpriu a pena. A pessoa já ter perdido seu status de condenado e de réu. De ter ganhado o status de justo, porque já foi justiçado.

O verbo “justiçar” nós não ouvimos muito falar na língua portuguesa, mas ele significa matar alguém com justiça, para cumprir uma justiça. Um condenado foi justiçado quando ele foi para a forca para pagar pelos seus crimes.

Jesus foi justiçado por nós; Ele morreu na cruz por nós.

Para pagar por qual crime?

O Dele?

Não! Ele não tinha.

Mas na cruz, Deus O fez pecado por nós e lançou sobre Ele as culpas de todos os que Nele crêem. Para que Ele morresse como um substituto e nós, que cremos em Cristo, pudéssemos ser justificados agora, pela Sua  morte e ressurreição.

Essa mulher  não sabe quase nada de Jesus; ela sabe que Ele pode curá-la, e tudo o que ela faz é crer Nele. Ela estende a sua mão e toca, nem é Ele quem ela toca, ela só toca as Suas vestes. Ela toca algo relacionado a Ele. Isso nos mostra a graça de Deus.

Uma vez, quando eu morava em Alto Paraíso, havia um rapaz muito simples; ele só sabia ler, não sabia escrever e ele aprendeu a ler na Bíblia. Ele se converteu e lia a Bíblia somente. Um dia eu estava na farmácia da cidade, conversando com o dono que era Rosacruz – é uma seita filosófica espiritualista. Eu estava tentando falar do Evangelho para ele, e ele dizia que a pessoa precisa subir os degraus, chegar no primeiro, segundo, terceiro grau... Tem os livros, você tem que ler esse, e mais esse, e mais aquele, e eu tentando falar do Evangelho para ele e nada de conseguir. De repente vem o Sebastião – acho que ele assim se chamava – e que entrou para comprar um remédio. Ele escutou a minha conversa e logo entrou nela, porque ele viu que eu estava falando de Cristo e começou a falar de Cristo também. Eu falei para o dono da farmácia, “escuta Normando, você não está vendo um negócio estranho aqui? Eu vim da cidade, tenho curso superior, tenho cultura, aprendi um monte de coisa e estou falando do Evangelho para você. E aqui está o Sebastião, que nasceu na roça, só sabe ler, e ele está falando a mesma coisa que eu: a salvação pela fé em Cristo, de graça, sem obras. Você não acha estranho nós dois falando a mesma coisa? E você está nos dizendo que tem que ler 400 livros, que tem que atingir os graus, os píncaros da espiritualidade; que tem que subir, evoluir, etc. Eu pergunto a você: uma salvação para vir de Deus, será que Ele não faria uma coisa que é tão simples de ser entendida até por uma criança, por qualquer pessoa. Sem precisar entrar em grandes profundidades?”

Essa mulher sabia que se ela tocasse em Jesus ela seria curada, e foi isso que ela fez. Ela não sabia nome, endereço, CPF, nada! Ela não sabia história universal, não sabia religião, nunca fez curso de teologia, nada! Ela simplesmente falou “se eu somente tocar a Sua veste, eu vou ser curada!”. 

Isso é fé!

Qualquer pessoa num leito de morte, que falar “Jesus, me salve!”, o que você acha que vai acontecer?

Que Deus vai falar “ah meu amigo, é muito tarde agora. Você tem que voltar, fazer-se membro de uma igreja, ir em todas as missas ou cultos, ofertar e dar o dízimo. Tem que ler a Bíblia de capa a capa, senão não tem chance para você”. 

E o pior é que foi isso que certa vez uma pessoa religiosa me falou.

Eu perguntei: e um moribundo, que está ali e nunca foi numa igreja e de repente, ele crê em Jesus? O que Deus vai fazer com ele?

“Ah, Deus vai mandá-lo para o inferno”, respondeu ela, “porque ele nunca foi numa igreja”.
O homem é mau!

Mas Deus é bom e quer salvar.

Qual a última palavra do piloto antes do avião bater?

“Jesus!”

Agora eu lhe pergunto, quem ele chamou?

Ele chamou Jesus!

Quem era o piloto?

Não sei, um pecador; todos somos pecadores.

Onde ele foi a vida inteira?

Talvez no boteco, no jogo de futebol, na rua, foi passear.

Foi em alguma igreja?

Não, nunca. Ele nunca leu nenhum versículo da Bíblia e na hora de bater o avião, ele falou: Jesus! Pergunto: Cristo entendeu o pedido dele? Ele foi socorrido?

Pense em você se afogando no mar, e o salva-vidas olhando e você fala “socorro”.

O salva-vidas, diz “espera! Você falou “socoro”, com um só R. Isso não pode ser; você nem fala direito. “Help!” Mas você está com sotaque, não é assim, tem que ser aquele sotaque dos Beatles para falar help, senão, não funciona... Imagina que loucura!

Se tivesse que ter todas essas minúcias para uma pessoa ser salva, mas não! 

Quando o carcereiro espantado que Deus tinha libertado os presos da prisão ia se matar – porque ele obviamente seria torturado e morto por deixar escapar os presos – quando ele viu que ninguém escapou, Paulo fala: “não temas, estamos todos aqui, não faça isso”, ele diz: “senhores, o que devo fazer para ser salvo?”

Crê no Senhor Jesus!

Mas e o curso de Teologia?

Crê no Senhor Jesus!

Mas eu nunca fui numa igreja!

Crê no Senhor Jesus e será salvo!

Isto é, toca a veste Dele!

Se tudo o que você sabe, tudo o que você vê é uma veste Dele na sua frente, toque-A então!

E aí, o Senhor agora vai dar certeza para ela: a tua fé te salvou!

Mesmo que amanhã ela tenha um mal-estar, ela fala “mas agora Ele me falou!”.

E muitos cristãos hoje ainda não ouviram essa segunda parte da história, tocaram talvez a veste de Jesus, mas não estão crendo que ele diz “você está salvo! Você crê em mim e você está salvo”. Passou uma vida miserável aqui neste mundo, na incerteza, para se encontrar com quem no final? Com Cristo!

- Então, era verdade?

- Claro que era! Eu não falei que bastava você crer em mim e você seria salvo?

- Sim, falou!

- Então? O que você estava pensando? O que queria acrescentar a isso? O que queria pôr a mais na obra da cruz?

Impossível!

Mas a terceira etapa da nossa viagem é a filha de Jairo.

Depois que Jesus cura essa mulher, Ele segue viagem até a casa de Jairo, mas quando Ele chega lá, a menina que estava doente, agora está morta.

No versículo 37, do capítulo 5 de Marcos: “não permitiu que alguém o seguisse, a não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago. E, tendo chegado à casa do principal da sinagoga (que era Jairo), viu o alvoroço, e os que choravam muito e pranteavam. E, entrando, disse-lhes: Por que vos alvoroçais e chorais? A menina não está morta, mas dorme. E riam-se dele; porém ele, tendo-os feito sair, tomou consigo o pai e a mãe da menina, e os que com ele estavam, e entrou onde a menina estava deitada. E, tomando a mão da menina, disse-lhe: Talita cumi; que, traduzido, é: Menina, a ti te digo, levanta-te.  E logo a menina se levantou, e andava, pois já tinha doze anos; e assombraram-se com grande espanto. E mandou-lhes expressamente que ninguém o soubesse; e disse que lhe dessem de comer”.

Esse é o fim da história de todas as pessoas: a morte!

Existe uma diferença na história do incrédulo que acaba com a morte; o fim da sua viagem é a morte aqui na terra. Já a vida de um crente em Cristo – porque ainda que o fim de sua viagem seja a morte – Deus vai colocá-lo numa classe diferente do incrédulo.

Até a designação que Deus dá a ele é diferente, porque a Bíblia quando fala de incrédulos que morreram, fala que eles estão mortos, e quando fala de crentes que morreram, é dito que eles dormem. E essa distinção, Deus faz.

E é o que o Senhor Jesus faz com relação à menina. Porque Ele sabia que iria ressuscitá-la. Ainda que ela estivesse morta aos olhos de todos ali, Ele iria dar vida à ela. Mas quando Ele disse que faria isso, que ela não estava morta, mas apenas dormindo, eles zombavam, eles riam Dele, e o que Ele faz? 

- Fora daqui, vocês! Saiam daqui!

Riram-se Dele, porém Ele, tendo-os feito sair, tomou consigo o pai, mãe da menina, os que com Ele estavam, que eram Pedro, Tiago e João, e foi aonde estava a menina deitada. Apenas sete pessoas estarão presentes na hora em que essa menina ressuscita. A menina, Jesus, os pais e os três discípulos. 

Essas sete pessoas foram as única que viram a ressurreição da menina, e ela própria, claro.

E quando lemos a respeito da ressurreição de Cristo, vemos que apenas os discípulos Dele, que eram mais de quinhentos, viram-No ressuscitado. Nenhum incrédulo viu Jesus ressuscitado!

A última coisa que os incrédulos viram foi Ele pregadob e morto na cruz. Tirado da cruz Seu corpo, depois sendo sepultado e acabou aí a história de Jesus para os incrédulos.

Mas começou aí a história de Jesus para os crentes, para os salvos, para os discípulos.

Então o fim da sua viagem pode ser este: a ressurreição com Cristo!

Ou pode simplesmente terminar na condenação eterna por não conhecer, por não crer em Cristo. Por estar entre esses zombadores que não creram na ressurreição.

Pergunto: onde está você? Em que classe você embarcou nessa viagem?

Na classe daqueles que estão vendo a idade avançar e achando que vai ser sempre assim?

Mas não vai! Pode ter certeza que não vai, porque uma hora a viagem termina e você terá que desembarcar. Você está nessa classe?

Ou você está na classe dos que estão viajando também, mas sabem que vão ter que desembarcar? Porém com a certeza de que vão desembarcar para embarcar numa viagem muito, muito legal, muito maravilhosa: a viagem dos ressuscitados e transformados por Cristo! A viagem dos que um dia tocaram as Suas vestes e um dia creram Nele e falaram “eu sei que se eu apenas tocar as Suas vestes, eu serei curado”.

Todos viajamos juntos, mas o desembarque será diferente, dependendo de que decisão você tomou durante essa viagem que se chama vida. 

Eu espero que você tenha tomado a decisão por Cristo, ainda que a última palavra que você diga seja “Jesus”.

Mas que  garantia você vai ter que vai ser essa a última palavra que você dirá, não é?

Nós nunca sabemos...

Então creia em Jesus como seu Salvador.

Aceite que na cruz Ele pagou por todos os seus pecados e receba Dele a certeza e as palavras: “filha, a tua fé te salvou, vai-te em paz”.